O Tribunal do Júri da Comarca da Capital, em sessão realizada nesta terça-feira (2/4), absolveu dois dos três homens denunciados pelo Ministério Público do Estado (MPSC) por envolvimento na morte de um advogado no Bairro Rio Vermelho, região leste da Ilha de Santa Catarina, em março de 2022. O caso teve grande repercussão à época.

De acordo com os autos, a vítima foi encontra sem vida após ser agredida com socos, golpes de faca, garfo, tesoura, bem como um objeto denominado “moedor de carne”. Seu veículo, um automóvel da marca BMW, foi encontrado posteriormente em outra ponto da Capital.

Dos três homens pronunciados, apenas um teve a participação reconhecida pelo Conselho de Sentença. Ele recebeu a pena de 16 anos de reclusão, em regime inicial fechado, pelos crimes de homicídio qualificado e roubo, em razão da posterior subtração de pertences da vítima.

Um dos denunciados, tatuador que também trabalhava como motorista de aplicativo para complementar a renda, foi absolvido após a defesa apresentar a tese de negativa de autoria.

A equipe de defesa, composta pelos advogados criminalistas Matheus Paranhos Menna de Oliveira, Osvaldo José Duncke, Alfredo Driessen Nunes e Gabriel de Oliveira Antunes, obteve êxito em demonstrar aos jurados toda a dinâmica que envolveu o contato do réu com as circunstâncias do crime.

Com o trabalho, utilizando recursos que firmaram a convicção do júri em relação à inocência do cliente, permitiram que o homem, que estava preso desde 2022, recebesse o alvará de soltura imediatamente após a sessão do júri.

O outro réu absolvido foi assistido pela Defensoria Pública do Estado.

Processo número 5063004-42.2022.8.24.0023