Cláudia Prudêncio | Foto: Eduardo Tarasca

Há algum tempo, já, que as mulheres têm na OAB/SC uma forte aliada para a conquista de novos espaços, seja no campo profissional, institucional ou na sociedade. E o que vivenciamos nos dias que antecederam este Dia Internacional da Mulher é mais do que um indicativo de que percorremos o caminho certo: já estamos escrevendo uma nova história, trazendo pela mão inúmeras mulheres com grande potencial, e que só precisavam de oportunidades.

Nestes dias, nossa Seccional realizou a maior Conferência Estadual da Mulher Advogada, reunindo mais de 750 profissionais de todas as regiões do Estado e mais de 100 palestrantes, todas mulheres, na 8ª edição do evento, que contou no seu painel de abertura com as cinco advogadas presidentes de Seccionais no Brasil: esta signatária, de Santa Catarina, Patricia Vanzolini, de São Paulo, Gisela Cardoso, do Mato Grosso, Daniela Borges, da Bahia, e Marilena Winter, do Paraná.

Mas não fizemos apenas volume: cada mulher presente trouxe consigo uma história de superação, de conquistas e de inspiração, para um grandioso e inédito encontro, que reconheceu todo o trabalho empreendido pela abertura de espaços às advogadas catarinenses. Não foi fácil chegarmos a essa posição, mas hoje a OAB de Santa Catarina é referência em inclusividade e na formação de novas lideranças, que por sua vez são exemplo e inspiram mulheres de outras áreas.

Além de contarmos, nesta gestão, com a primeira advogada a dirigir a Seccional em nove décadas de instituição em nosso Estado, já são 19 as mulheres que presidem nossas Subseções. Também pela primeira vez na história, a presidência do Tribunal de Ética e Disciplina da OAB/SC é ocupada por uma mulher, Luciane Mortari, e ainda, de forma pioneira em 91 anos, nossa Escola Superior da Advocacia foi presidida por uma advogada, Fernanda Sell, hoje alçada ao cargo de Desembargadora do Tribunal de Justiça pelo Quinto Constitucional da OAB.

Na diretoria da OAB Santa Catarina temos ainda Maria Teresinha Erbs, como secretária-geral, e Caroline Rasmussen, como tesoureira-adjunta. A Seccional tem ao todo 47 mulheres presidentes de Comissões, fora as inúmeras advogadas que compõem essas estruturas de apoio técnico-jurídico, e 20 mulheres como Conselheiras Estaduais. Nos quadros das Subseções e salas do Fórum, a maioria dos colaboradores também é feminina. Fomos a primeira entidade a instituir cotas de gênero para a eleição de seus dirigentes, e na gestão atual temos o mesmo número de homens e mulheres em todo o Sistema OAB.

Não é pouco, são avanços extraordinários, até mesmo de difícil comparação em outras entidades e órgãos, sejam públicos ou privados. Mas tampouco foi uma jornada fácil até aqui. Os desafios foram igualmente impressionantes e ainda rondam nosso universo, muitos dos quais refletindo questões mais amplas de desigualdade de gênero na sociedade: disparidade salarial, falta de representação em cargos de liderança, jornadas extenuantes na vida profissional, familiar e na maternidade, dentre muitos outros.

Muitas mulheres sequer se lançam a funções de liderança por já suportarem uma rotina desigual frente aos homens. E quando chegam a uma posição de destaque, precisam provar diuturnamente e exaustivamente que são capazes, que são merecedoras do lugar que conquistaram, mesmo quando apresentam qualificação e experiência superiores.

Por isso a promoção da igualdade de gênero é tão essencial, por isso a OAB Santa Catarina tem se empenhado tanto na implementação de políticas de inclusão e na criação de ambientes de trabalho mais equitativos entre homens e mulheres. Temos muitas iniciativas neste sentido, e atuamos identificando os desafios específicos que nossas profissionais enfrentam e fornecendo suporte total à sua transposição.

Dentre os projetos com maior relevância, e certamente com grande impacto e capilaridade social, está o “OAB Por Elas”, iniciado em Balneário Camboriú e estadualizado em nossa gestão, oferecendo amparo gratuito a mulheres em situação de violência doméstica, por intermédio do atendimento voluntário de nossas advogadas e advogados, e contando com a oferta de espaços dignos nas delegacias de polícia para o seu devido acolhimento.

Nossa Comissão da Mulher Advogada, em conjunto com a Coordenadoria-Geral das Comissões e a Escola Superior da Advocacia, tem se debruçado na oferta de eventos, cursos e palestras voltados às necessidades e desafios das mulheres na advocacia. O ápice, certamente, ocorreu em nossa XVIII Conferência Estadual da Mulher Advogada, inteiramente feita e pensada por mulheres, com temas plurais, inclusivos e vanguardistas.

Uma jornada de construção de conhecimento, formação de lideranças e abertura de novas frentes que vem transformando a realidade das advogadas catarinenses e ressoando representatividade e protagonismo femininos para a sociedade como um todo.

Cláudia Prudêncio é presidente da OAB/SC

oabpresidente@oab-sc.org.br