Juiz Marcelo Carlin

Os otimistas acreditaram que o mundo pós-pandemia teria menos conflitos. Mas os realistas advertiram que um acontecimento dessa magnitude traria um aumento do nível de tensão e desorientação com desdobramentos políticos, econômicos, sociais e humanos.

Nosso mundo, agora digital e em rede, já não é mais o mesmo. Mas algo ainda não mudou na essência humana, sua capacidade para cooperar, dialogar, confiar e acreditar.

O Judiciário catarinense, por entender a importância da construção do consenso, em 2005, na gestão do então Des. Jorge Mussi, inovou ao realizar a Semana do Mutirão da Conciliação, projeto que contou com apoio total da comunidade jurídica catarinense, especialmente da OAB.

Agora, mais uma vez, apostamos no movimento, desta vez incentivado pelo Conselho Nacional de Justiça, e organizamos a 17ª Semana da Conciliação, de 7 a 11 de novembro. Pautamos 3.800 casos para que os interessados, com o auxílio de conciliadores, em todas as regiões do estado e em diversas áreas da competência da Justiça Estadual, recuperem o diálogo e de forma serena e madura construam a pacificação social.

As audiências serão remotas e presencias. Logo, a tecnologia e o contato humano serão as ferramentas essenciais dessa atividade que busca reforçar a nossa característica de povo voltado ao trabalho, diálogo e tolerância. Esses valores fazem parte da nossa cultura e da nossa comunidade jurídica que são fundamentais para o desenvolvimento do nosso estado.

Portanto, seguindo o lema do evento, vamos fazer uma semana “por menos conflitos e mais recomeços”.

 

Marcelo Carlin, juiz titular do 2º Juizado Especial da comarca da Capital.

Foto: Guilherme Wolff/Divulgação