Na música “Feijoada Completa”, Chico Buarque explica – com detalhes – como deve ser feita o típico e tradicional prato da Feijoada. A música é uma receita: fritar um montão de torresmo pra acompanhar; Arroz branco, farofa e a malagueta; A laranja-bahia ou da seleta; Joga o paio, carne seca, toucinho no caldeirão; E vamos botar água no feijão; Depois de salgar; Faça um bom refogado, que é pra engrossar; Aproveite a gordura da frigideira; Pra melhor temperar a couve mineira.

Contudo, não é um prato fácil e rápido. Muitos ingredientes, muitas panelas, caldeirões, frigideiras e tempo. Feijoada leva tempo.

A feijoada é unanimidade entre os brasileiro, mas afinal, qual a relação com a jovem advocacia?

Explico.

Nos próximos meses deve entrar na pauta do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil o novo provimento de publicidade na advocacia. As novas regras são esperadas e acompanhadas por todos, mas é, em especial, um tema muito caro à jovem advocacia.

Uso amplo de redes sociais, marketing jurídico digital, propagandas, artigos, entrevistas online, canais de youtube, atendimento online e a polêmica dos posts e publicações patrocinadas nas redes sociais (Instagram) e mecanismos de buscas (Google), são algumas das inovações que o CFOAB deverá analisar.

É fato que os jovens que ingressam no mercado de trabalho precisam de um mecanismo para apresentar seus serviços e seu conhecimento para o público. A advocacia mudou e para construir uma carreira sólida não é suficiente a tão sonhada carteira profissional, mas é necessário a ocupação dos espaços para atingir o público ideal. A advocacia precisou se reinventar nos últimos anos. É fato ainda que os jovens advogados precisam estar no digital, precisam ocupar este espaço também. A presença no digital é muito importante.

Entretanto, por maiores que sejam as vantagens de uma inovação na advocacia e no posicionamento digital – que efetivamente são necessárias, repito – uma formação sólida no atendimento ao cliente, na gestão do escritório, no posicionamento, na produção doutrinária e na humanidade, independe de possibilidade de patrocinar posts é fundamental para crescer na profissão.

Mas antes de se pensar em patrocinar posts e de utilizar as redes sociais de maneira ativa, a advocacia, e falo em especial para jovem advocacia, deve fazer o básico – o feijão com arroz – possuir um especialidade (e nem falo de especialização), atender com pontualidade, uma atuação marcada pela discrição, uma gestão profissional do escritório, ter disponibilidade para o cliente e, acima de tudo, um atendimento humano.

Ainda da mesma receita do feijão com arroz, o advogado que pretende construir uma carreira sólida, precisa estar em constante atualização, com conhecimento amplo da sociedade e das áreas do direito. Precisa de parcerias multidisciplinares com colegas e amigos. Precisa de planejamento, estudo e execução.

Não se deve ser reconhecido por ser o advogado mais barato, mas sim aquele mais capacitado. Deve seguir a tabela de honorários e não aviltar. Participar ativamente das discussões da Ordem dos Advogados do Brasil, com a presença em comissões temáticas e contato com outros colegas.

O feijão com arroz é, ainda, vislumbrar na crise, uma oportunidade. É não ter medo das novas áreas e se capacitar para atuar: inteligência artificial, tecnologia, startup, reforma trabalhista, reforma da previdência, reforma tributária, nova lei de licitações, marketing e vendas. Não são poucas as novas oportunidades.

É gostar muito mais do mundo, do que do Direito. É conhecer a sociedade em que vive. Nas palavras do Ministro Ayres Britto, o direito não é só o que se sabe, mas talvez, e muito mais, o que se sente.

Essa é a receita do feijão com arroz na advocacia. Para ocupar os espaços e construir uma carreira longa, muitas vezes o simples, o básico e o verdadeiro são mais do que suficientes. A preocupação do mundo atual parece ser a receita complexa do sucesso e o básico, que é a pedra fundamental, é esquecido. O marketing digital, a presença na rede, a ocupação deste espaço também é importante, mas não devemos pensar que é a única saída, ou a saída imediata. Existem outros passos que antecedem, ou que devem ser feito concomitantes.

A advocacia é transpiração, perseverança, constância e paixão. Não se permita desanimar. Comemore as vitórias e aprenda com as derrotas. Esse é básico, o feijão com arroz.

Muitos querem fazer a feijoada completa, sem nunca terem feito feijão com arroz.

Arthur Bobsin é advogado, mestrando em Direito (UFSC), especialista em Direito Administrativo pela PUC/MG, presidente da Comissão da Jovem Advocacia da OAB/SC, diretor Jurídico da Associação Catarinense de Imprensa (ACI) e membro da Academia Nacional de Direito Desportivo Jovem (ANDDJovem).