O juiz Renato Mastella, da Vara do Tribunal do Júri da Capital, designou para a próxima quinta-feira (5/12) o novo julgamento de André Vargas Pinto, denunciado pelo Ministério Público do Estado (MPSC) por um assassinato e um tentativa de homicídio em suposta disputa pelo comando do comércio de entorpecentes em uma comunidade da região central de Florianópolis.

André foi condenado a 47 anos de prisão em 2016, mas o júri restou anulado em recurso especial ao Superior Tribunal de Justiça, assim como o acórdão do Tribunal de Justiça do Estado (TJSC) que confirmou o veredicto do conselho de sentença.

Advogado Carlos Ribeiro

Agora, o réu será novamente submetido ao tribunal do júri, com a defesa conduzida pelo criminalista Carlos Ribeiro, que vai defender a tese de negativa de autoria.

De acordo com o MPSC, André teria agido em conjunto com o brasileiro naturalizado americano David Beckhauser Santos Herold. Os júris ocorreram em datas distintas, sendo que André à época era representado por outro profissional.

Conforme a denúncia, na manhã de 26 de março de 2014, Herold e André se dirigiram até a comunidade do Morro do 25 vestidos de preto, para simular serem policiais. Eles estavam acompanhados de comparsas.

Ainda segundo o Ministério Público, eles chegaram até a casa onde morava a vítima e atiraram várias vezes. Depois, invadiram a residência atrás dela e do irmão, “com a nítida intenção de executá-los”, conforme a denúncia. Testemunhas relataram que ambos diziam ser policiais civis.

Ao perceber que eram os alvos dos invasores, os dois irmãos pularam a janela para tentar fugir. Thiago, à época com 23 anos, foi atingido por vários tiros e morreu.