Por Felipe Lenhart, especial para o Portal JusCatarina

O novo presidente do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), desembargador Rodrigo Collaço, tomou posse nesta sexta-feira, 2, e reafirmou o compromisso de aumentar a produtividade judicial no Estado, onde atualmente tramitam cerca de 2,6 milhões de processos.

Questionado pelo Portal JusCatarina como fazer isso, o magistrado apontou a modernização do sistema de informática e a realocação de recursos e de pessoal para a atividade fim do tribunal. “O judiciário existe para julgar, e nos últimos anos a atividade meio do TJ cresceu muito. Agora, temos de redirecionar o esforço para a atividade fim”, disse em entrevista coletiva.

Para Collaço, a grande reclamação que a sociedade tem em relação ao Judiciário é a demora nas decisões, mas a situação financeira do Judiciário catarinense desaconselha a criação de varas, vagas de juiz e de servidores.

“A criação de varas, por exemplo, é uma solução que não tem mais a mesma viabilidade financeira de outros tempos. Nossa missão é fazer mais com os recursos que temos hoje”, afirmou.

Collaço valorizou sua atuação nas associações de magistrado de SC e do Brasil.

“Quando passei pela associação estadual, conheci muito de perto todos os problemas da justiça catarinense. E a minha passagem pela associação nacional me permitiu conhecer todos os problemas da Justiça brasileira. Então, hoje considero que tenho uma visão mais precisa de quais são os nossos problemas e do que precisamos fazer. Nesse ponto, vou tentar transformar em prática as soluções que vislumbrei quando dirigi entidades associativas”, disse.

Junto com Collaço, tomaram posse os demais integrantes do novo corpo diretivo do TJ:

Presidente – Desembargador Rodrigo Tolentino de Carvalho Collaço
Natural de Florianópolis, 54 anos, começou a carreira como juiz substituto em maio de 1989. Atuou nas comarcas de Urubici, Papanduva, Palmitos e Porto União. Em setembro de 1993, foi promovido a juiz de direito e prestou serviços em Chapecó, Joinville e Capital. Teve nova promoção em janeiro de 2009, desta vez para o cargo de juiz de direito de 2º grau. Assumiu como desembargador em dezembro de 2012. Atuava por último na 4ª Câmara de Direito Criminal do TJ. Foi presidente da Associação dos Magistrados Catarinenses (AMC) e da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB).

1º vice-presidente – Desembargador Moacyr de Moraes Lima Filho
Natural de Florianópolis, 71 anos, foi eleito desembargador em outubro de 2007, em vaga do Ministério Público pelo quinto constitucional. Integrava a 3ª Câmara Criminal do TJ.

Corregedor-Geral da Justiça – Desembargador Henry Goy Petry Júnior
Natural de Porto Alegre/RS, 58 anos, começou a carreira como juiz substituto em agosto de 1988, em Xanxerê, depois em São Domingos. Foi promovido a juiz de direito em novembro de 1990 e trabalhou em Quilombo, São Lourenço do Oeste, São Miguel do Oeste, Lages e Capital. Passou a ocupar vaga de juiz substituto de 2º grau em maio de 2007 e foi promovido a desembargador em novembro de 2010. Judicava na 5ª Câmara de Direito Civil.

2º vice-presidente – Desembargador Carlos Adilson Silva
Natural de Campos Novos, 56 anos, foi nomeado juiz substituto em maio de 1989, lotado na comarca de Mafra. Promovido a juiz de direito, atuou nas comarcas de São José do Cedro, São Lourenço do Oeste, São Miguel do Oeste e Joinville. Em janeiro de 2009, passou a ocupar vaga de juiz substituto de 2º grau. Foi promovido a desembargador em abril de 2014. Presidia até agora a 1ª Câmara de Direito Público.

3º vice-presidente – Desembargador Altamiro de Oliveira
Natural de Florianópolis, 55 anos, ingressou na magistratura como juiz substituto em maio de 1989 e atuou nas comarcas de Criciúma, São José e Capital. Passou a juiz de direito em abril de 1992 e judicou em Campo Erê, Capinzal, Caçador e Lages, onde atuou por longo período. Foi promovido a juiz substituto de 2º grau em fevereiro de 2009. Posteriormente, foi promovido a desembargador em junho de 2015. Integrava a 4ª Câmara de Direito Comercial.

Vice-Corregedor-Geral – Desembargador Roberto Lucas Pacheco
Natural de Florianópolis, 58 anos, começou a exercer a função de juiz substituto em agosto de 1988, na comarca de São José e, a seguir, Tijucas. Promovido a juiz de direito, seguiu para Pinhalzinho, Maravilha, Videira, Rio do Sul e Capital. Em maio de 2007, passou a ocupar vaga de juiz substituto de 2º grau e, em dezembro de 2010, foi promovido ao cargo de desembargador. Presidia 4ª Câmara de Direito Criminal e coordenava o Grupo de Monitoramento e Fiscalização (GMF) do TJ.

Foto: Divulgação TJSC