A desembargadora Mari Eleda Migliorini foi eleita na tarde desta segunda-feira (9), pelo Tribunal Pleno, para exercer o cargo de presidente do Tribunal Regional do Trabalho de Santa Catarina pelos próximos dois anos. A votação ocorreu em sessão pública, que elegeu também o novo vice-presidente, desembargador Roberto Basilone Leite, e o novo corregedor, desembargador José Ernesto Manzi. Os novos dirigentes, eleitos por unanimidade, vão atuar durante o biênio 2018/2019 e começam a administrar o Tribunal após sessão solene de posse, marcada para 7 de dezembro.

Atual vice do TRT-SC, Mari Eleda agradeceu a confiança dos colegas e principalmente a do atual presidente, Gracio Petrone. Segundo ela, neste último ano de mandato, após saber do seu interesse em concorrer ao cargo, Petrone abriu as portas da Presidência, dando-lhe acesso às reuniões e voz nas comissões. “Isso foi muito bom para a continuidade da Administração, além de me deixar mais segura e com mais condições de retribuir a confiança”, apontou a magistrada.

“Não será um período fácil, tanto pela questão orçamentária quanto pelos desafios da nova legislação, mas teremos que continuar encontrando meios de responder à sociedade, pois nossa atuação é indispensável por seu caráter social”, previu.

A desembargadora também afirmou que vai, a partir de agora, trabalhar num detalhamento estratégico e tático para a gestão, com um olhar especial para a conciliação. “A tradição responsável de nosso tribunal, com recursos públicos e com as políticas institucionais, tem se caracterizado pela continuidade. Não pretendo quebrar isso. Por outro lado, do ponto de vista estratégico, há sempre desafios novos que às vezes demandam ajustes no que está sendo feito, noutras exigem ações inovadoras”, disse ela.

O novo corregedor, José Manzi, também ressaltou a gestão atual, na qual o presidente “manteve a estabilidade durante a tempestade”, referindo-se às restrições orçamentárias sofridas pela Justiça do Trabalho, e colocou “os interesses institucionais acima dos pessoais”. “É isso que pretendo fazer”, afirmou o desembargador, prometendo também que irá se empenhar ao máximo para disseminar boas práticas por todo o estado. “É isso que o corregedor faz”, apontou Manzi, que sucederá a desembargadora Lourdes Leiria.

Como futuro vice-presidente, o desembargador Roberto Basilone coordenará a Escola Judicial (Ejd) e a Ouvidoria. À frente da Ejud, ele pretende dar continuidade às ações já desenvolvidas e acompanhar as diretrizes da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados do Trabalho (Enamat), aplicando-as no contexto social do nosso estado. Basilone também agradeceu aos colegas a confiança depositada e prometeu engajamento e dedicação para responder à altura.

 

Presidente do TRT-12, Mari Elda Migliorini

Currículo:
A desembargadora Mari Eleda Migliorini é natural de Curitiba, ingressou na magistratura trabalhista catarinense em 1989, tendo atuado por quatro anos como juíza substituta em diversas unidades do Estado. Entre 1993 e 2006, foi titular (na época, juíza-presidente de Junta de Conciliação e Julgamento) da 4ª VT de Joinville. Depois, passou a atuar na 5ª VT de Florianópolis e, de 2008 a 2009, acumulou a função de diretora de Foro até ser promovida ao segundo grau em 16 de julho de 2009.
A magistrada graduou-se em Direito em 1982 na Universidade Estadual de Maringá (PR) e lecionou Direito Civil na pós-graduação da Univille/Amatra em 2003 e 2004. Cursou especialização em processo civil pela PUC/RS, concluída em 2004, e um ano depois chegou ao ápice de sua carreira acadêmica ao obter o título de mestre em Ciência Jurídica defendendo dissertação, pela Univali, sobre “A teoria da desconsideração da personalidade jurídica diante da autonomia patrimonial da pessoa jurídica”. Atualmente, está concluindo pós-graduação em nível de especialização em Gestão Pública.

As informações são da Secretaria de Comunicação Social do TRT-12